Voltar ao menu principal

PATA DE VACA

http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQl8kjkanHe36Bt-aKdQ1BQaNqWDV1Lp5mbmPaZKEPROZtiFYnr

http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQzm6nVyVToczPnev-B0rKNlvPz5_B6xr2-H1YBEvWY7eQkr9hP

http://t1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcS4BOvHELtKJRSSYokPRtj3ZgBKUvLgpKfhlRzYN9p2JVqEDiDLXA

http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTFS6rAgyNTYxblQqpHVXcc9-uNy1kvFS91nPjDJM7DbGbvCMSC3Q

 

CHÁ DE PATA DE VACA NO CONTROLE DA DIABETE

Pata de vaca é uma árvore espinhenta, com tronco um pouco canelado, de 5-9m de altura, semidecídua (não perde totalmente as folhas no inverno).

Muito ramificada, suas folhas são simples, levemente coiáceas, parecendo bipartidas, dando semelhante de uma pisada de bovino, daí seu nome popular. Suas folhas são vistosas, brancas, perfumadas, reunidas em inflorescências na ponta dos ramos.

Floresce na metade do inverno ate metade da primavera. Os frutos são vagens achatadas e deiscentes.

 

Nome científico: Bauhinia forficata Link.

Sinonímia científica: Bauhinia aculeata Vell; Bauhinia brasiliensis Vog.

Nome popular: Pata de Vaca, Unha de Vaca, Pata-de-boi, Unha-de-boi, Bauínia, Capa-bode, Cascoburro,Casco-de-vaca., Ceroula-de-homem, Mororó, Pata-de-Veado, Unha-de-Anta, Unha-de-boi-de espinho, Unha-de-vaca, Unha-de-veado.

 

Indicações e Ação Farmacológica

Tem ação hipogliceminante (antidiabético), purgativo e diurético.

É depurativo do sangue; redutora do colesterol e triglicérideos; e antioxidante. Indicada para problemas do aparelho urinário, pois o flavonoide kaempferitrina presente nesta planta ajuda reparar estrago de células do rim, e ter um efeito diurético.

Mas seu principal uso é como antidiabético, e esta ação é atribuída a trigonelina

 

Modo de preparo: Por infusão - ferver 250ml de água e adicionar uma colher de chá da planta, tampe e deixe por 10 minutos, em seguida coe e beba. Pode ser quente ou frio.

 

CHÁ DE PATA DE VACA NO CONTROLE DA DIABETEConhecimento popular em prova

 

A planta medicinal de origem brasileira conhecida como pata-de-vaca ou Bauhinia variegata é comumente utilizada por diabéticos para controle da glicemia na forma de chá.

 

Essa função disseminada pela sabedoria popular foi estudada por pesquisadores do Laboratório de Farmacologia Molecular da Universidade de Brasília (UnB) e comprovada cientificamente.

 

O professor Francisco de Assis Rocha Neves, coordenador do laboratório, e seu orientando Marlon Duarte da Costa verificaram em ensaios in vitro realizados com células humanas, que o extrato da planta ativa o receptor PPAR-gama, que é um potente estimulador da ação da insulina - hormônio responsável pela entrada de glicose na célula.

 

A má notícia para os diabéticos é que, além de facilitar a ação da insulina, o extrato da pata-de-vaca ativa outros receptores, como o do estrógeno, que pode aumentar o risco de câncer de útero e mama e o da transcrição genética, que pode alterar o funcionamento da renovação celular.

 

Apesar do experimento ter sido feito com o extrato, Neves acredita que os efeitos nas células seriam os mesmos que com a ingestão do chá.

 

"Como não sabemos ainda as conseqüências desses mecanismos, é preciso cuidado antes de utilizar essa planta indiscriminadamente para controlar a glicose", alerta Neves. A pata-de-vaca é assim chamada porque a folha da árvore com flores brancas ou roxas tem essa forma. A planta também é muito utilizada em paisagismo.

 

COMPARAÇÕES - No estudo, a atividade do extrato da planta, coletada no campus universitário entre junho e agosto de 2003, também foi comparada a medicamentos utilizados por diabéticos na ativação do receptor PPAR-gama. O princípio testado foi a pioglitazona. A planta ressecada e transformada em pó demonstrou atividade duas a três vezes maior que a ação da pioglitazona na ativação do PPAR-gama. Os cientistas passaram então a testar isoladamente as moléculas do extrato da planta para ver qual delas é responsável por essa ação.

 

Uma delas, a molécula kaempferol, purificada na Universidade Federal de Santa Catarina, ativou menos o PPAR-gama que a pioglitazona. "Isso significa que há outras moléculas envolvidas no mecanismo da ação da Pata de Vaca que precisam ser estudadas", diz Neves. A pesquisa continua para identificar qual molécula do extrato da planta apresenta essa ação exata. A partir daí, um medicamento mais específico que os já existentes no mercado poderá ser elaborado.

 

Neves acredita que esse processo pode levar cerca de três anos. Enquanto isso, recomenda-se o uso bastante moderado do chá.

CHÁ DE PATA DE VACA NO CONTROLE DA DIABETE

 

Pedido Fone  43 3325 5103