Voltar ao menu principal

PAPOULA

Resultado de imagem para chá de papoula alucinogena" 

 

Resultado de imagem para chá de papoula alucinogena"

Resultado de imagem para chá de papoula alucinogena"

                    Resultado de imagem para chá de papoula alucinogena"

 

Pertence à família das Papaveráceas, a que também pertence a dormideira, com a qual partilha as propriedades narcóticas, bem mais fracas nesta última, podendo ser útil aos doentes que não suportam o ópio. A planta contém pigmentos vermelhos, anticianóticos e traços de alcalóides, “rhoeadine”, “rhoea-rubine”, etc. Tem virtudes sedativas e peitorais, sendo ligeiramente narcótica e sudorífica. Emprega-se sob a forma de infusão (2 a 3g) em meia xícara de água fervente, na dose de duas a três xícaras por dia. Também é indicada sob a forma de xarope. Uma infusão de cápsulas de papoula, à razão de 3 ou 4 colhe-radas no leite, proporciona sono tranqüilo às crianças. Aconselha-se também a lavagem feita com uma mistura, em partes iguais, de óleo de oliva e a tisana de papoula, para estancar a diarréia.

Sementes de Papoula - Um pecado permitido

February 13, 2017

Sempre que falamos em semente de papoula vem à tona a suposta proibição na comercialização do produto. As informações deste ingrediente que dependendo da cultura é vastamente utilizado, vão um pouco mais além do que a gastronomia.

Ontem conversando com o Chef Bruno da Casa Aliança, ele me mostrou uma foto de um prato que utilizou a semente e porque não falar deste pecado permitido.

 

No Brasil, o comércio da semente de papoula é regulamentada pela Resolução RDC nº 239, de 28 de agosto de 2002 da ANVISA.

 

Parágrafo único. No documento de que trata o caput deste artigo, deve constar ainda que o objeto da importação não é proveniente de países que transformam drogas apreendidas e confiscadas em opiáceos lícitos.

Art. 3º Determinar que os estabelecimentos importadores de sementes de dormideira (Papaver somniferum L.), devem apresentar à ANVISA, no momento da solicitação da anuência na Licença de Importação – LI, documento emitido pelo órgão competente do país Exportador, no qual deve constar que o objeto da importação provem de cultivos lícitos, autorizados pela JIFE.

 

Essa informação é encontrada no site da ANVISA e na época que a papoula sumiu do mercado, idos de 2008-2009, o órgão negou a tal proibição que tanto se comentava, principalmente no universo gastronômico. 

 

O fato é que ficou mais burocrático a importação devido as exigências de documentação, e com toda certeza um aumento no custo também ocorreu. ANVISA não é perfeita, muitos pontos da legislação sobre alimentos poderiam ser revistas, mas até lá, a agência continua sendo a única fonte realmente confiável. Afinal, estamos falando de leis, resoluções e afins.

Papoula (Papaver somniferum L.) é uma das várias espécies do gênero Papaver que fazem parte da família Papaveraceae. Isso, existem vários tipos de papoula, porém a única produzida em larga escala é a P. somniferum, a partir dela derivam as sementes e os medicamentos opiáceos.

 

O ópio é o látex seco retirado do fruto da papoula. Exatamente, o fruto ao ser riscado libera um líquido branco que lembra o látex da seringueira ou do mamão verde. São produtos diferentes, mas a aparência é a mesma. É uma mistura formada por morfina, codeína, papaverina e outras substâncias. Os dois primeiros são os mais importantes (como medicamento).

Morfina é usado como medicamento, um analgésico opióide, apenas em ambientes controlados (hospitais e pesquisas) por ser extremamente potente. Para se ter uma comparação, é para aliviar a dor visceral (dos órgãos internos), diferente dos analgésicos normais (no geral são antiinflamatórios). Devido ao seu modo de agir no corpo, também pode causar constipação severa.

 

Já a codeína é usada em xarope para tosse que também necessita ser usado com cautela, além de ser vendido com retenção da receita.

 

A semente de papoula vem do mesmo lugar que ópio, porém em momento diferente. Para produzir as sementes o fruto deve estar maduro e então, seco para retirá-las. Enquanto o ópio é extraído com o fruto ainda verde, e as sementes não estão completamente formadas.

Devido a sua composição, as sementes são basicamente 50% gordura, também é possível fazer óleo de semente de papoula. Precisam ser armazenadas muito bem, podem ficar rançosas bem rápido com essa quantidade de gordura.

 

Como são bem pequenas, segundo McGee para formar um grama é necessário cerca de 3.300 e para um quilo mais de 3 milhões. A coloração azulada na verdade seria uma ilusão de óptica, vistas no microscópio as sementes se apresentam marrons.

 

Ficam com esse tom azulado por causa de uma camada de cristais de oxalato de cálcio que agem como prismas que refratam a luz de um modo em que vemos a faixa azulada da luz branca.

 

As sementes contém traços das substâncias que compõem o ópio, devido a isso, dependendo da quantidade ingerida um exame para opióides (drogas de abuso) dará um falso-positivo. Depende da sensibilidade e valor de cortes usados no teste. Esse “mito” foi analisado pelo Mythbusters e estudos científicos puseram a prova essa possibilidade, e todos mostraram um resultado falso-positivo.

 

Sementes de Papoula - Um pecado permitido

February 13, 2017

Sempre que falamos em semente de papoula vem à tona a suposta proibição na comercialização do produto. As informações deste ingrediente que dependendo da cultura é vastamente utilizado, vão um pouco mais além do que a gastronomia.

 

Ontem conversando com o Chef Bruno da Casa Aliança, ele me mostrou uma foto de um prato que utilizou a semente e porque não falar deste pecado permitido.

 

No Brasil, o comércio da semente de papoula é regulamentada pela Resolução RDC nº 239, de 28 de agosto de 2002 da ANVISA.

 

Parágrafo único. No documento de que trata o caput deste artigo, deve constar ainda que o objeto da importação não é proveniente de países que transformam drogas apreendidas e confiscadas em opiáceos lícitos.

Art. 3º Determinar que os estabelecimentos importadores de sementes de dormideira (Papaver somniferum L.), devem apresentar à ANVISA, no momento da solicitação da anuência na Licença de Importação – LI, documento emitido pelo órgão competente do país Exportador, no qual deve constar que o objeto da importação provem de cultivos lícitos, autorizados pela JIFE.

 

Essa informação é encontrada no site da ANVISA e na época que a papoula sumiu do mercado, idos de 2008-2009, o órgão negou a tal proibição que tanto se comentava, principalmente no universo gastronômico. 

 

O fato é que ficou mais burocrático a importação devido as exigências de documentação, e com toda certeza um aumento no custo também ocorreu. ANVISA não é perfeita, muitos pontos da legislação sobre alimentos poderiam ser revistas, mas até lá, a agência continua sendo a única fonte realmente confiável. Afinal, estamos falando de leis, resoluções e afins.

 

Papoula (Papaver somniferum L.) é uma das várias espécies do gênero Papaver que fazem parte da família Papaveraceae. Isso, existem vários tipos de papoula, porém a única produzida em larga escala é a P. somniferum, a partir dela derivam as sementes e os medicamentos opiáceos.

 

O ópio é o látex seco retirado do fruto da papoula. Exatamente, o fruto ao ser riscado libera um líquido branco que lembra o látex da seringueira ou do mamão verde. São produtos diferentes, mas a aparência é a mesma. É uma mistura formada por morfina, codeína, papaverina e outras substâncias. Os dois primeiros são os mais importantes (como medicamento).

 

Morfina é usado como medicamento, um analgésico opióide, apenas em ambientes controlados (hospitais e pesquisas) por ser extremamente potente. Para se ter uma comparação, é para aliviar a dor visceral (dos órgãos internos), diferente dos analgésicos normais (no geral são antiinflamatórios). Devido ao seu modo de agir no corpo, também pode causar constipação severa.

 

Já a codeína é usada em xarope para tosse que também necessita ser usado com cautela, além de ser vendido com retenção da receita.

 

A semente de papoula vem do mesmo lugar que ópio, porém em momento diferente. Para produzir as sementes o fruto deve estar maduro e então, seco para retirá-las. Enquanto o ópio é extraído com o fruto ainda verde, e as sementes não estão completamente formadas.

 

Devido a sua composição, as sementes são basicamente 50% gordura, também é possível fazer óleo de semente de papoula. Precisam ser armazenadas muito bem, podem ficar rançosas bem rápido com essa quantidade de gordura.

 

Como são bem pequenas, segundo McGee para formar um grama é necessário cerca de 3.300 e para um quilo mais de 3 milhões. A coloração azulada na verdade seria uma ilusão de óptica, vistas no microscópio as sementes se apresentam marrons.

 

Ficam com esse tom azulado por causa de uma camada de cristais de oxalato de cálcio que agem como prismas que refratam a luz de um modo em que vemos a faixa azulada da luz branca.

 

As sementes contém traços das substâncias que compõem o ópio, devido a isso, dependendo da quantidade ingerida um exame para opióides (drogas de abuso) dará um falso-positivo. Depende da sensibilidade e valor de cortes usados no teste. Esse “mito” foi analisado pelo Mythbusters e estudos científicos puseram a prova essa possibilidade, e todos mostraram um resultado falso-positivo.

 

Como sempre, é necessário analisar a situação com uma visão macro para englobar o bem-maior que pode afetar diretamente a sociedade como um todo. O ópio é um produto natural, mas extremamente perigoso.  A partir dele pode ser feito a heroína. Uma droga absurdamente potente, a base química dela é a morfina. Causa dependência e há risco de morte.

 

Agora sou eu especulando, é mais fácil dizer que foi proibido do que explicar o real motivo? Se isentar da culpa? Jogar a culpa em outros? Não sei o porquê dessa prática, porém, creio que todo mundo perde propagando uma informação errada, sendo que a verdade é tão mais simples.

 

Então sim, as sementes de papoula que usamos em muitas preparações são provenientes da mesma planta que dá origem ao ópio, à heroína e à morfina, mas elas não são alucinógenas e são produzidas de forma muito diferente que as drogas. 

As sementes de papoula são provenientes da mesma planta que dá origem ao ópio, à heroína e à morfina, mas elas não são alucinógenas e são produzidas de forma muito diferente que as drogas. A maioria dos produtores desnaturam suas sementes com tratamento térmico ou radiação para que não possam germinar. Estéreis elas são mais fáceis de serem comercializadas, já que são proibidas em muitos países.

 

O maior produtor mundial das sementes é a Holanda, e suas sementes são geralmente mais caras por serem consideradas de excelente qualidade. 

Na gastronomia elas são usadas para preparar bolos, pães e tortas, alguma pessoas acrescentam essas sementes em sopas, massas, saladas ou molhos. Mas a verdade é que além de todo o mito e verdade que cercam esta semente, ela pode ser muito benéfica a saúde.

 

Sementes de Papoula - Um pecado permitido

February 13, 2017

Sempre que falamos em semente de papoula vem à tona a suposta proibição na comercialização do produto. As informações deste ingrediente que dependendo da cultura é vastamente utilizado, vão um pouco mais além do que a gastronomia.

 

Ontem conversando com o Chef Bruno da Casa Aliança, ele me mostrou uma foto de um prato que utilizou a semente e porque não falar deste pecado permitido.

 

No Brasil, o comércio da semente de papoula é regulamentada pela Resolução RDC nº 239, de 28 de agosto de 2002 da ANVISA.

 

Parágrafo único. No documento de que trata o caput deste artigo, deve constar ainda que o objeto da importação não é proveniente de países que transformam drogas apreendidas e confiscadas em opiáceos lícitos.

Art. 3º Determinar que os estabelecimentos importadores de sementes de dormideira (Papaver somniferum L.), devem apresentar à ANVISA, no momento da solicitação da anuência na Licença de Importação – LI, documento emitido pelo órgão competente do país Exportador, no qual deve constar que o objeto da importação provem de cultivos lícitos, autorizados pela JIFE.

 

Essa informação é encontrada no site da ANVISA e na época que a papoula sumiu do mercado, idos de 2008-2009, o órgão negou a tal proibição que tanto se comentava, principalmente no universo gastronômico. 

 

O fato é que ficou mais burocrático a importação devido as exigências de documentação, e com toda certeza um aumento no custo também ocorreu. ANVISA não é perfeita, muitos pontos da legislação sobre alimentos poderiam ser revistas, mas até lá, a agência continua sendo a única fonte realmente confiável. Afinal, estamos falando de leis, resoluções e afins.

 

Papoula (Papaver somniferum L.) é uma das várias espécies do gênero Papaver que fazem parte da família Papaveraceae. Isso, existem vários tipos de papoula, porém a única produzida em larga escala é a P. somniferum, a partir dela derivam as sementes e os medicamentos opiáceos.

 

O ópio é o látex seco retirado do fruto da papoula. Exatamente, o fruto ao ser riscado libera um líquido branco que lembra o látex da seringueira ou do mamão verde. São produtos diferentes, mas a aparência é a mesma. É uma mistura formada por morfina, codeína, papaverina e outras substâncias. Os dois primeiros são os mais importantes (como medicamento).

 

Morfina é usado como medicamento, um analgésico opióide, apenas em ambientes controlados (hospitais e pesquisas) por ser extremamente potente. Para se ter uma comparação, é para aliviar a dor visceral (dos órgãos internos), diferente dos analgésicos normais (no geral são antiinflamatórios). Devido ao seu modo de agir no corpo, também pode causar constipação severa.

 

Já a codeína é usada em xarope para tosse que também necessita ser usado com cautela, além de ser vendido com retenção da receita.

 

A semente de papoula vem do mesmo lugar que ópio, porém em momento diferente. Para produzir as sementes o fruto deve estar maduro e então, seco para retirá-las. Enquanto o ópio é extraído com o fruto ainda verde, e as sementes não estão completamente formadas.

 

Devido a sua composição, as sementes são basicamente 50% gordura, também é possível fazer óleo de semente de papoula. Precisam ser armazenadas muito bem, podem ficar rançosas bem rápido com essa quantidade de gordura.

 

Como são bem pequenas, segundo McGee para formar um grama é necessário cerca de 3.300 e para um quilo mais de 3 milhões. A coloração azulada na verdade seria uma ilusão de óptica, vistas no microscópio as sementes se apresentam marrons.

 

Ficam com esse tom azulado por causa de uma camada de cristais de oxalato de cálcio que agem como prismas que refratam a luz de um modo em que vemos a faixa azulada da luz branca.

 

As sementes contém traços das substâncias que compõem o ópio, devido a isso, dependendo da quantidade ingerida um exame para opióides (drogas de abuso) dará um falso-positivo. Depende da sensibilidade e valor de cortes usados no teste. Esse “mito” foi analisado pelo Mythbusters e estudos científicos puseram a prova essa possibilidade, e todos mostraram um resultado falso-positivo.

 

Como sempre, é necessário analisar a situação com uma visão macro para englobar o bem-maior que pode afetar diretamente a sociedade como um todo. O ópio é um produto natural, mas extremamente perigoso.  A partir dele pode ser feito a heroína. Uma droga absurdamente potente, a base química dela é a morfina. Causa dependência e há risco de morte.

 

Agora sou eu especulando, é mais fácil dizer que foi proibido do que explicar o real motivo? Se isentar da culpa? Jogar a culpa em outros? Não sei o porquê dessa prática, porém, creio que todo mundo perde propagando uma informação errada, sendo que a verdade é tão mais simples.

 

Então sim, as sementes de papoula que usamos em muitas preparações são provenientes da mesma planta que dá origem ao ópio, à heroína e à morfina, mas elas não são alucinógenas e são produzidas de forma muito diferente que as drogas. 

  

As sementes de papoula são provenientes da mesma planta que dá origem ao ópio, à heroína e à morfina, mas elas não são alucinógenas e são produzidas de forma muito diferente que as drogas. A maioria dos produtores desnaturam suas sementes com tratamento térmico ou radiação para que não possam germinar. Estéreis elas são mais fáceis de serem comercializadas, já que são proibidas em muitos países.

 

O maior produtor mundial das sementes é a Holanda, e suas sementes são geralmente mais caras por serem consideradas de excelente qualidade. 

Na gastronomia elas são usadas para preparar bolos, pães e tortas, alguma pessoas acrescentam essas sementes em sopas, massas, saladas ou molhos. Mas a verdade é que além de todo o mito e verdade que cercam esta semente, ela pode ser muito benéfica a saúde.

 A semente de papoula azul é muito nutritiva, cada colher de sopa contém 46 calorias, 1,6 g de proteína, 3,7 g de gordura e 2,5 g. São uma excelente fonte de ácido fólico, riboflavina, vitaminas C, B6 e niacina, magnésio, cálcio e finalmente o fósforo, cobre, ferro, zinco, potássio e selênio. Além disso, é importante você saber que a semente de papoula azul possui uma grande quantidade de fibras dietéticas, essas fibras aceleram o metabolismo, te ajudando a perder peso

O valor nutricional da semente de papoula azul são muitas e essas propriedades são ótimas para combater a insônia, tontura, dores de cabeça, problemas de nervos e coração.