Voltar ao menu principal

Mamica de cadela

 

pessoa com vitiligo

PARTES USADAS: Cascas

ORIGEM DO PRODUTO: Brasil 

DESCRIÇÃO: mamica-de-cadela (Brosimum gaudichaudii ), também conhecida por mama-cadela, algodão-do-campo, amoreira-do-campo, mururerana, apé, conduru, inhoré (no Ceará),  é espécie comum nos cerrados, com grande valor na medicina popular e na indústria de medicamentos. E um arbusto lactescente e de pequeno porte. Tem frutos amarelo-alaranjados, semelhante às mamas de uma cadela, com cerca de dois centímetros de diâmetro.

INDICAÇÃO: Chá de Mamica de Cadela => Bronquites, discromia, gripes, má-circulação do sangue, vitiligo, manchas, úlcera gástrica, resfriados.

COMO FAZER: 2 colheres de sopa para um litro de água.
Deixe cozinhar por cerca de 10 minutos a partir do momento em que se inicia a ebulição, após esse tempo, retire do fogo e deixe repousando, tampada, por 10 minutos. Coe e está pronto para o uso.

COMO BEBER: Tomar 2 a 3 xícaras ao dia.

A pele é o maior órgão do corpo humano e também o afetado pelo maior número de doenças. Muito vulnerável às emoções, ele sinaliza facilmente quando as coisas fogem ao controle e é preciso equilíbrio para evitar que, frequentemente, apareçam doenças dermatológicas de pele.

 

Dentre essas doenças, o Vitiligo é uma das que mais preocupam, pois ainda não tem suas causas totalmente esclarecidas, mas sabe-se que alterações (como estresse físico, emocional, e ansiedade) ou traumas emocionais podem estar entre os fatores que desencadeiam ou agravam a doença. Sem contar que o estado emocional sempre interfere muito no tratamento.

O Vitiligo é uma doença não-contagiosa em que ocorre a perda da natural pigmentação da pele, resultando em manchas brancas irregulares que possuem a mesma textura da pele normal (inicio dos sintomas). Podemos dizer que o próprio sistema de defesa entra em curto e produz anticorpos que destroem as células que produzem melanina, pigmento que dá cor à pele. O vitiligo não é hereditário, mas a disposição de ter a doença é herdada.

O tratamento é individualizado e os resultados podem variar entre um paciente e outro. Dentre as opções, está o uso de medicamentos para induzir a repigmentação das regiões afetadas, tecnologias como o laser, bem como técnicas cirúrgicas ou transplante. Porém, uma forma natural e menos agressiva tem sido muito utilizada atualmente para tratar todos os tipos de vitiligo: uma planta medicinal chamada Mamacadela.

Planta típica do cerrado brasileiro, a Mamacadela é também conhecida por mamica-de-cadela, marjejum ou algodãozinho. O princípio ativo encontrado na planta está presente nas raízes, cascas e frutos verdes: a furocumarina, o “bergapteno”, possui ação fotossensibilizante, que proporciona o aumento da pigmentação da pele.

“A mamacadela é hoje a planta mais utilizada contra o vitiligo e é receitada por quase todos os profissionais de saúde, tanto alopatas, quanto homeopatas e terapeutas em geral devido a sua grande eficácia no tratamento”, explica a farmacêutica Fernanda Carvalho. Em muitos casos, os pacientes relataram bons resultados com o consumo da planta, combinado a outras formas de tratamento.

Os benefícios da Mamacadela não se restringem ao tratamento de doenças de pele que causam despigmentação. Ela também pode ser usada para úlceras gástricas, resfriado, bronquite e má circulação. Mas essas propriedades ainda não foram totalmente investigadas por pesquisas científicas.

Na Farmácia Eficácia você encontra a Mamacadela em cápsulas. Tome 1 cápsula ao dia e não deixe de procurar orientação de um profissional habilitado.

De nome científico Brosimum gaudichaudii, a mama-cadela é uma planta arbustiva de pequeno porte, muito comum nos cerrados do Centro-Oeste brasileiro. Seu nome popular “mama-cadela” foi dado devido à semelhança entre seu fruto, de coloração alaranjada e aspecto nodoso e a mama de uma cadela. A planta pode ser encontrada para comprar em lojas de produtos naturais e algumas farmácias fitoterápicas

Mama-cadela

Foto: Reprodução

Propriedades e benefícios

Seu princípio ativo está presente nas raízes, cascas e nos frutos ainda verdes, e é conhecido como bergapteno. Também conhecida como algodão do campo, amoreira do campo, mururerana, apé, conduru e inhoré, a planta é usada para tratamento de vitiligo e outras doenças que causam a despigmentação da pele. Pode ser usada ainda no tratamento de bronquites, discromia, gripes, má circulação do sangue, manchas de pele, úlcera gástrica e resfriados. A planta possui ação fotossensibilizante, anti-helmíntica e antimicrobiana.

Muitos pacientes relataram bons resultados no consumo de mama-cadela associado a outras formas de tratamento em caso de vitiligo. Sempre que for iniciar um tratamento, seja com medicamentos naturais ou industrializados, consulte seu médico e jamais abandone os medicamentos que forem recomendados por ele.

A planta tem sido estudada para aplicação em medicamentos industrializados para tratamento de vitiligo, doença que, atualmente, ainda não tem cura e tem a causa desconhecida. O estudo é importante, pois a doença – que acredita-se ser desencadeada em pacientes com predisposição por um estresse grande – além de causar constrangimento e preconceito, possui um tratamento em hospitais que muitas vezes são realizados sem muita esperança pelos pacientes.

Como consumir?

A mama-cadela pode ser consumida na forma de chá ou loção:

Chá de mama-cadela

Para preparar o chá, coloque uma xícara de chá de folhas e ramos picados em uma panela. Em outro recipiente, leve um litro de água ao fogo, e aguarde alcançar fervura. Jogue a água fervente em cima das folhas, tampe e deixe em repouso por 24 horas. Em seguida, coe e consuma duas xícaras ao dia.

Loção de mama-cadela

A loção é preparada com as cascas e com a raiz de mama-cadela. Pique-os em um recipiente e reserve. Em outro recipiente, leve um litro de água ao fogo e aguarde alcançar fervura. Em seguida, jogue a água fervente em cima das cascas e da raiz e tampe, deixando descansar por 24 horas. Passado o período, aplique duas vezes ao dia nas partes afetadas.

Efeitos colaterais e contraindicações da planta

Quando utilizada em excesso, a mama-cadela pode causar o fotoenvelhecimento, além de câncer de pele.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.