Voltar ao menu principal

Jatobá

 

http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/jatoba/imagens/jatoba-16.jpg

 

http://farm4.static.flickr.com/3467/3758030099_6e846f24bb.jpg

http://4.bp.blogspot.com/_sz3-2n58zz4/SmyUouo_KMI/AAAAAAAAA7c/HEXWZr8huRA/s320/mosaic58f332ff0f0fa9c8ecf812cfe628097b7575f4d2.jpg

 

http://www.centraldassementes.com.br/images/Jatoba.jpg

Utilização medicinal do Jatobá-do-cerrado.

Indicações

Parte usada

Preparo e dosagem

a. bronquites, tosses, coqueluche

a. casca e ramos mais velhos

a. decocto:: 1 xícara café da planta picada para 1 litro de água. Tomar de 3-4 xícaras de café ao dia. Xarope: macerar 1 xícara de café da planta em 01 xícara de água fervente. Deixar repousar por 6 horas. Coar e diluir em 1 xícara de mel. Beber de 3-4 colheres de sopa ao dia.

b. adstringente, nas afecções da bexiga epróstata

b. casca e ramos mais velhos

b. decocto ou infuso: 1 xícara de chá ddaplanta para 1 litro de água. Deixar esfriar. Adoçar com mel. Beber de 3-4 xícaras de chá ao dia.

c. vermífugo

c. fruto

c. infuso:1 xícara de café da polpa do fruto para ½ litro de água. Deixar repousar por 6 horas. Tomar de 5-6 colheres de sopa ao dia, preferencialmente em jejum ou antes das refeições.

Fonte: Almeida et al. 1997 em Silva et al. 2001

Nos cerrados do Distrito Federal o jatobá-do-cerrado ocorre em densidades que variam de cerca 18 a 43 indivíduos por hectare. Na região de Cuiabá-MT foram registrados 50 indivíduos/ha.

A produção de mudas do jatobá-do-cerrado é fácil por meio de sementes, que podem ser colocadas para germinar logo que colhidas em saquinhos individuais ou em canteiros. A taxa de germinação das sementes de frutos recém-colhidos é de até 90%. Sementes submetidas à escarificação mecânica (lixadas em uma calçada de cimento, por exemplo) podem germinar em menos de 10 dias (normalmente de 15-30 dias). O desenvolvimento das mudas é rápido, estando pronta para transplante (quando for o caso) em menos de 4 meses. Em Brasília a EMBRAPA-CPAC vende mudas de jatobá-do-cerrado e outras espécies do bioma por três reais cada (www.cpac.embrapa.br/servicos/mudas.doc). Mas antes de comprar, tende você mesmo plantar e produzir suas mudas, é fácil e um ótimo aprendizado.

Referências e sugestões bibliográficas sobre o jatobá-do-cerrado:

Almeida, S.P. 1998. Cerrado: Aproveitamento Alimentar. Planaltina: EMBRAPA-CPAC. 188p.

ALMEIDA, S.P.; PROENÇA, C.E.B.; SANO, S.M.; RIBEIRO, J.F. , 1998. Cerrado: espécies vegetais úteis. Planaltina: EMPRAPA-CEPAC.

ATTUCH, I.M. 2006. Conhecimentos Tradicionais do Cerrado: sobre a memória de Dona Flor, raizeira e parteira. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social pela Universidade de Brasília, UnB. www.unb.br/ics/dan/Dissertacao205.pdf

Cunha, Antônio Geraldo da, 1924. Dicionário Histórico das palavras portuguesas de origem tupi / Antônio Geraldo da Cunha; prefácio-estudo de Antônio Houaiss. 4 ed. São Paulo: Companhia Melhoramentos; Brasíla: Universidade de Brasília, 1998.

Lorenzi, H. 2000. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil, vol. 1. 3. ed. Nova Odessa, SP.

MOBOT, Misouri Botanical Garden. http://mobot.mobot.org/cgi-bin/search_vast?onda=N13020524

Ramos, A.C.S. et al. Fitogeografia de Hymenaea stigonocarpa, o jatobá-do-cerrado. http://web2.sbg.org.br/ResumosSelecionados/14889resumoGP133.pdf

Rodrigues, V. E. G. & Carvalho, D. A. 2001. Plantas Medicinais no Domínio dos Cerrados. Lavras: UFLA. 180p.

Silva, D.B. da; et al., 2001. Frutas do Cerrado. Brasília: Emprapa Informação Tecnológica.

Silva Júnior, M.C. et al. 2005. 100 Árvores do Cerrado: guia de campo. Brasília, Ed. Rede de Sementes do Cerrado, 278p.

Silva, M. R., et al. 2001a. UTILIZAÇÃO TECNOLÓGICA DOS FRUTOS DE JATOBÁ-DO-CERRADO E DE JATOBÁ-DA-MATA NA ELABORAÇÃO DE BISCOITOS FONTES DE FIBRA ALIMENTAR E ISENTOS DE AÇÚCARES. Cienc. Tenol. Aliment., Campinas, 21 (2): 176-182. www.scielo.br/pdf/cta/v21n2/7463.pdf

Silva, M. R., et al. 2001b. Avaliação Química, Física e Sensorial de Biscoitos Enriquecidos com Farinha de Jatob-a-do-cerrado e de Jatobá-da-Mata como Fonte de Fibra Alimentar. Brasilian Journal of Food Technology, 4: 163-170.