Voltar ao menu principal

Ipecacuanha

Resultado de imagem para IPECACUANHA"

Resultado de imagem para IPECACUANHA"

Resultado de imagem para IPECACUANHA"

Ipecacuanha

A ipecacuanha (Cephaelis ipecacuanha) é um arbusto pertencente à família das Rubiáceas, sendo também conhecida como ipeca, poaia e raiz do Brasil. A denominação ipecacuanha significa “planta de doente de estrada” e a planta é originária de regiões úmidas, principalmente das florestas tropicais da América, com destaque para o Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela.

Esta planta pode ser considerada como a mais célebre das drogas brasileiras difundidas no século XVII. A raiz da ipecacuanha já era usada pelos índios tupis no Brasil e foi conhecida pelos jesuítas no século XVI. Atualmente, a planta cresce no extremo Oriente e é o ingrediente principal de diversos remédios contra tosse.

Propriedades medicinais e benefícios

A ipeca contém uma substância denominada emetina, que é bastante empregada nos remédios para disenterias amiabianas. Trata-se de um potente emético que apresenta, como efeito colateral, a estimulação da secreção de muco nos pulmões e provoca vômitos, sendo importante para a limpeza do aparelho digestivo em casos de envenenamento.

As propriedades medicinais da ipecacuanha incluem a sua ação emética, expectorante e amebicida. Esta planta é utilizada para esvaziar o estômago em casos de intoxicação, quando a realização da lavagem gástrica não é possível.

Na maioria dos casos, a parte utilizada da ipeca é a sua raiz, que é colhida e posteriormente secada para ser empregada na indústria farmacêutica. As raízes da planta podem atingir cerca de 20 a 40 cm de comprimento e podem ser úteis no tratamento antidiarreico, expectorante e anti-inflamatório.

A ipecacuanha proporciona benefícios no tratamento de várias doenças, com destaque para aquelas do aparelho respiratório. Ainda pode ser usada para amebíases, baixar febres, prevenir a formação de cistos, aliviar tosses agudas e coqueluche.

Como utilizar a ipecacuanha?

A ipecacuanha pode ser utilizada nas formas de xarope e de chá.

Xarope: O xarope de ipeca é formado por rizomas de duas espécies distintas e contém substâncias como emetina, psicotrina e outras isoquinolinas. Ele provoca o vômito no tratamento dos indivíduos que ingeriram veneno. A indicação de uso é tomar uma colher (15 ml) e, se não vomitar, a pessoa deve submeter-se a uma lavagem gástrica.

Chá: Para preparar o chá, coloque duas colheres de sopa da erva em um litro de água. Deixe cozinhar por aproximadamente 10 minutos a partir do momento em que se inicia a ebulição. Após esse período, retire do fogo e deixe repousando, com o recipiente tampado, por 10 minutos. Coe e beba.

Precauções

Não ultrapassar as doses terapêuticas recomendadas, pois a planta se torna tóxica. Lembre-se de consultar um especialista antes de iniciar qualquer tratamento!

Uma das plantas mais conhecidas e preciosas para os comerciantes era a Ipecacuanha, A ipeca (Psychotria ipecacuanha) é reconhecida mundialmente como planta medicinal. O nome da planta em português, ipecacuanha, é originado da palavra nativa i-pe-kaa-guéne, que significa "planta de doente de estrada". A ipecacuanha (Psychotria ipecacuanha) é uma espécie medicinal conhecida popularmente por ipeca, ipeca-verdadeira, poaia, poaia cinzenta,

https://paisagismodigital.com/Noticias/img/488-001.jpg

Carapichea ipecacuanha autor Masa Sinreih in Valentina Vivod

É uma planta nativa do Brasil e América Central. Os extratos de suas raízes são utilizados há séculos pelos índios para induzir o vômito em casos de envenenamentos e como antídoto contra picada de cobras venenosas

A atividade farmacológica da ipeca deve-se, principalmente, a dois alcalóides isoquinilínicos, a emetina e a cefalina. A emetina foi isolada das folhas da icepacuanha pela primeira vez pelos farmacêuticos franceses Pierre-Joseph Pelletier e Joseph-Bienaimé Caventou, em 1817. Além de induzir o vômito e atuar com expectorante, a emetina possui atividade contra o protozoário intestinal Entamoeba histolytica, causador da amebíase.

Nativa das regiões sombrias e úmidas das florestas tropicais da América, com ocorrência no Brasil, Colômbia, Venezuela, Peru, Equador, Bolívia, Guianas e América Central, A verdadeira ipeca (Psychotria ipecacuanha (Brot.) Stokes - Rubiaceae) tem como seu centro de origem o Brasil, onde pode ser encontrada na floresta, sob árvores de grande porte, nos Estados de Mato Grosso, Rondônia, Pará, Rio de Janeiro, Minas Gerais,Espírito Santo, Pernambuco e Bahia. Porém, a área de maior ocorrência fica no Estado de Mato Grosso, principalmente no Município de Cáceres.

A ipeca é uma espécie ameaçada de erosão genética ou em vias de extinção por ter sofrido intenso processo extrativo nos 2 séculos passados, abertura de novas fronteiras agrícolas, e também por ter suas áreas de ocorrência natural reduzidas atualmente. Sendo uma espécie passível de se adequar a um sistema de cultivo economicamente viável.



A ipeca-verdadeira apresenta a seguinte sinonímia científica: Evea ipecacuanha Standley, Cephaelis, ipecacuanha Rich., Cephaelis emética Pers., Uragoga, ipecacuanha Baill., Psychotria ipecacuanha Mull. Arg, Ipecacuanha officinalis Arr. Cam. Vulgarmente, é conhecida pelos nomes: ipeca, ipecacuanha-anelada, ipecacuanha-preta, poaia-do-mato, poaia-cinzenta, poaia legítima, ipeca-preta e ipeca-do-Mato-Grosso.