image002

Voltar ao menu principal

HISSOPO

 

Chá De Hissopo (Hyssopus officinalis): 8 Benefícios Essenciais em ...

HISSOPO

Hyssopus officinalis


Descrição : Planta da família das labiadas, tambêm conhecida como erva sagrada e hissopo das farmácias. O hissopo á uma planta perene, com um caule central herbáceo pode chegar a até 60 cm de altura. Folhas finas e pontiagudas, sésseis. As flores tubulares azuis e pequenas, crescendo das axilas superiores da folha. A fruta contém quatro pequenas castannas, cada uma contendo uma semente. O hissopo e bastante similar em aparência a outros membros da família da menta. A planta e seu óleo volatil possuem aroma forte parecido com o odor característico da cânfora.

A Sagrada Escritura, rica em alegorias e imitada neste aspecto por numerosos escritores clássicos, cita frequentemente o hissopo. Não há a certeza, porém, de que a espécie lendária, conhecida e apreciada pelo rei Salomão, seja o Hyssopus officinalis L., pois este não existe na Palestina nem na Grécia. No entanto, seria agradável imaginar que esta discreta e bela planta, cujas densas moitas perfumam as fendas das velhas paredes expostas ao sol e são extremamente atraentes para as abelhas nas colinas áridas, tenha sido outrora tão venerada. De entre os remédios mais divulgados em medicina popular, o hissopo era utilizado para tratar a asma e as afecções brônquicas e pulmonares. É cultivado à escala industrial para uso farmacêutico. Serve ainda para aromatizar licores e aperitivos e, em cosmética, para preparar uma loção refrescante para as pálpebras e tonificante para a pele. Com 17 outras plantas, faz parte da composição do chá-suíco.

Partes utilizadas : Folhas, rizomas, casca e frutos.

Componentes: Óleo essencial, heterósidos, tanino, colina.

Propriedades: Antiespasmódico, aperitivo, carminativo, depurativo.

Indicações: Asma, bronquite, tosse, rouquidão.

Contra-indicações/cuidados: não encontrados na literatura consultada. Porém nenhuma planta deve ser consumida em excesso e nenhum tratamento deve ser feito sem orientação médica.

Efeitos colaterais: não encontrados na literatura consultada.Porém nenhuma planta deve ser consumida em excesso e nenhum tratamento deve ser feito sem orientação médica.

Modo de usar : Infusão em água, à razão de 2 por 100, sendo recomendado tomar apenas duas ou três xícaras por dia. Em uso externo, o hissopo tem virtudes tônicas e resolutivas, servindo de gargarejos nas diversas afecções da garganta. Em aplicação quentes é usado para resolver equimoses e torceduras.

Aromaterapia : Aroma de mato de ação anti-stress.

Farmacologia: Um estudo demonstrou que extratos da folha seca da Hyssopus officinalis exibem uma atividade antiviral forte contra o virus do HIV, provavelmente devido ao ácido caféico, aos taninos e a presença de compostos de peso molecular alto não identificados. Recentemente um outro estudo encontrou uma atividade anti-HIV aonde um polissacarídeo isolado do hissopo inibiu a replicação do virus HIV-1. Ambos os estudos sugerem que esta atividade pode ser útil no tratamento de pacientes com AIDS. O hissopo e ainda hoje usado por herbalistas, devido aos seus efeitos benéficos. O áleo volátil do hissopo representa a fração a mais importante desta planta. O óleo pode ter um efeito benéfico pequeno no tratamento de dores de garganta e como expectorante. O óleo de hissopo é usado como fragrância em perfumes e sabonetes. Estudos dermatologicos em animals e seres humanos concluiram que o hissopo não e irritante a pele.

Referência :

A Cura pelas Ervas e Plantas Medicinais Brasileiras - Ricardo Lainetti e Nei R. Seabra de Britto - Editora Ediouro. 1979.
Plantas que Curam - Cheiro de Mato. Sylvio Panizza - IBRASA. 1997.