image002

Voltar ao menu principal

GARRA DO DIABO

 

GARRA-DO-DIABO


Nome científico da Garra-do-diabo: Harpagophytum procumbens DC.

Família da Garra-do-diabo Harpagophytum procumbens: Pedaliaceae.

Sinônimos botânicos da Garra-do-diabo Harpagophytum procumbens: Harpagophytum procumbens (Burch.) DC. ex Meissn. f. sublobatum Engl., Harpagophytum procumbens subsp. procumbens (Burch.) DC. ex Meisn., Harpagophytum procumbens subsp. transvaalense Ihlenf. & H. Hartmann.

Outros nomes populares da Garra-do-diabo Harpagophytum procumbens: harpago, unha-do-diabo; artiglio del diavolo, harpagophytum; devil’s claw (inglês), harpagofito (espanhol), griffe du diable (francês)..

Constituintes químicos da Garra-do-diabo Harpagophytum procumbens: ácido oleanólico, ácido ursólico, ácidos fenólicos, ácido clorogênico, ácido cinâmico, arpagídeo, acido cinâmico livre, açúcares, aminoácidos, steroli, óleo, resina, glucosídeos iridóides, harpagosídeo, procumbídeo, fitoesteróis, triterpernos, flavonóides, lutoelina, kaempferol, harpagoquinona, glicose, sacarose, rafinose.

Propriedades medicinais da Garra-do-diabo Harpagophytum procumbens: analgésica, anti-reumática, antiartrítica, antiespasmódica, antiinflamatória, anti-reumática, cicatrizante, colagoga, colerética, depurativa, estimulante digestivo, estimulante sistema linfático, febrífuga, fibromiosite, hepatoprotetora, hipocolesterolêmica, periartrite.

Indicações da Garra-do-diabo Harpagophytum procumbens: ácido úrico, artrite reumatóide, aumentar defesas do organismo, colecistite, colelitíase, colesterol, desintoxicar o fígado, melhorar funções hepáticas, dispepsia, dor (articulações, reumatismo, artrite, gota), gota, hipercolesterolomia, hiperlipidemia, inflamação, obesidade, osteoatrite, reumatismo, tendinite.

Parte utilizada da Garra-do-diabo Harpagophytum procumbens: raízes secundárias secas.

Contra-indicações/cuidados com a Garra-do-diabo Harpagophytum procumbens: não usar na gravidez, lactação, úlcera gástrica ou do duodeno.

Efeitos colaterais da Garra-do-diabo Harpagophytum procumbens: não provoca efeitos secundários significativos, mesmo em doses mais elevadas.

Modo de usar da Garra-do-diabo Harpagophytum procumbens:
- O emplasto ajuda a aliviar dores e rigidez provocadas por artrose nas ancas, nos joelhos e na coluna vertebral;
- As raízes em decocção são aplicadas contra as dores reumáticas, problemas digestivos e febres;
- A ação da garra do diabo foi avaliada em estudos clínicos com extratos titulados e unificados em arpagosídeo a 80% para o dosar de 350-700mg, 3 vezes ao dia.

Algumas espécies do gênero da Garra-do-diabo Harpagophytum procumbens: Harpagophytum

Foto da Garra-do-diabo Harpagophytum procumbens é encontrada em:
http://www.fitomedicina.it/images/Arpagofito.GIF



A GARRA DO DIABO HERBARIUM é um fitoterápico formulado à base de extrato padronizado de garra do diabo (Harpagophytum procumbens) e que atua como antiinflamatório, sendo indicado como auxiliar no tratamento da artrite reumatóide (inflamação de uma articulação) e desordens degenerativas do sistema locomotor como artrose (alteração articular de natureza degenerativa), bursite, fibromialgia, epicondilite, tendinite entre outros processos inflamatórios.


Saiba mais sobre a planta:

A Garra do Diabo é uma planta originária da na África especialmente no deserto Kalahari e nas estepes da Namíbia. O nome Garra do Diabo provém do aspecto do fruto ramoso e lenhoso provido de barbas semelhantes a garras. Somente no século XIX foi reconhecido o seu valor terapêutico. Esportistas têm por hábito utilizá-la para auxiliar no tratamento das tendinites e dores musculares.

Nome científico: Harpagophytum procumbens DC.

Família: Pedaliaceae.

Outros nomes populares: harpago, unha-do-diabo; artiglio del diavolo, harpagophytum; devil’s claw (inglês), harpagofito (espanhol), griffe du diable (francês).

Constituintes químicos: ácido oleanólico, ácido ursólico, ácidos fenólicos, ácido clorogênico, ácido cinâmico, arpagídeo, acido cinâmico livre, açúcares, aminoácidos, steroli, óleo, resina. glucosídeos iridoídeos, harpagosídeo, procumbídeo, fitoesteróis, triterpernos, flavonóides, luteolina, kaempferol, harpagoquinona, glicose, sacarose, rafinose.

Propriedades medicinais: analgésica, anti-reumática, antiartrítica, antiespasmódica, antiinflamatória, anti-reumática, cicatrizante, colagoga, colerética, depurativa, estimulante digestivo, estimulante sistema linfático, febrífuga, fibromiosite, hepatoprotetora, hipocolesterolêmica, periartrite.

Indicações: ácido úrico, artrite reumatóide, aumentar defesas do organismo, colecistite, colelitíase, colesterol, desintoxicar o fígado, melhorar funções hepáticas, dispepsia, dor (articulações, reumatismo, artrite, gota), gota, hipercolesterolomia, hiperlipidemias, inflamação, obesidade, osteoartrite, reumatismo, tendinite.

Parte utilizada: raízes secundárias secas.

Contra-indicações/cuidados: não usar na gravidez, lactação, úlcera gástrica ou do duodeno.

Efeitos colaterais: não provoca efeitos secundários significativos, mesmo em doses mais elevadas.