Descrição: Descrição: C:\Users\Ervas\Desktop\Ervas Londrina\index_arquivos\image002.jpg

Voltar ao menu principal

FUCUS VESICULOSUS

 

Descrição: Descrição: http://www.lemnisfarmacia.com.br/wp-content/uploads/2011/05/Fucus-vesiculosos.jpg

Descrição: Descrição: http://www.algaebase.org/_mediafiles/algaebase/AC100CF115ffe17588vMn437F2D1/u6CitygZCx39.jpg

Descrição: Descrição: http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQje3Fv3S4yBS-VGepQp7PbHSRHgsLTUJDCead2FzIm8wtGWmGG

Descrição: Descrição: http://t3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRZsm7w2kSRARpHPNgYYS85M95yGeuWdzNiyhEdoikMpS-q3-zJig

Nome botânico: Fucus vesiculosus L.

Família: Fucaceae

Parte utilizada: Planta inteira

Nome popular: Fucus, Alface do mar, Cavalo marinho, Cavalinho do mar e Alga vesiculosa.

O fucus é uma alga castanha, extremamente abundante nos rochedos das costas do Atlântico, Pacífico e Mar do Norte, onde a sua acumulação atinge 15-20cm de espessura.

Plínio descreveu o fucus com o nome Quecus marina era então utilizada para as dores das articulações.

Muito utilizada no século XVIII para o tratamento da asma das doenças de pele, sendo então seu uso abandonado no início do século XIX quando Curfois descobre o iodo em 1811. O fucus é arrancado dos rochedos pelas marés cheias e de novo lançado sobre estes. Os anglo saxôes do litoral utilizaram-no na alimentação, e os franceses como adubo.

 

Constituintes

Iodo 0,03 – 0,1%

Bromo 0,015%

Fucoidina 60%

Ácido algínico 18 – 30%

Óleo essencial, Lipídios, Ácidos graxos livres, Mucilagem (pectina), Sais minerais (Cl, K, Fe e P).

Propriedades farmacológicas

Tanto a homeopatia quanto a fitoterapia utilizam o fucus vesiculosus que devido a sua riqueza em elementos que absorve do seu meio natural e que são transferidos para o organismo humano, é usado como complemento da dieta.

É indicada no tratamento do hipotireoidismo e em disfunções da tireóide devido à grande concentração de iodo, conferindo-lhe uma ação estimulante da tireóide, favorecendo os processos catabólicos, regularizando a produção do hormônio tireotrofina e acelerando o metabolismo da glicose e ácidos graxos, sendo este o motivo do uso como coadjuvante em tratamentos de perda de peso e redução do colesterol.

A abundância de sais minerais faz do fucus uma planta remineralizante. O iodo confere uma ação estimulante da tiróide. Favorecendo os processos catabólicos, pois é utilizado como coadjuvante no tratamento de emagrecimento. Os sais potássicos são diuréticos.

Devido a grande capacidade de entumecer da algina, que não se absorve no intestino, induz uma sensação de satisfação gástrica. Já por sua grande capacidade de aderência e seu poder de revestimento são soluções coloidais dos alginatos, atua como protetora das mucosas digestivas.

É laxante suave e, por seu poder absorvente, antidiarréico.

O alginato de cálcio pode ser usado como hemostático local de ação rápida.

Indicações

Fitoterápico: No hipotireoidismo, obesidade, úlceras gastroduodenais, hemorragias odontológicas e disfunções da tireóide decorrentes de uma alteração das taxas de iodo.

Fitocosmético: Ulcerações dérmicas, Hemorragias celulite e adiposidades localizadas.

Contra indicações

Pessoas com hipersensibilidade ao iodo ou em tratamento com hormônios tireóideos e com agentes antitireoídeos.

Pessoas com: ansiedade, insônia, hipertensão arterial, cardiopatias.

Não prescrever formas de dosagens com conteúdo alcoólico para administração oral a crianças menores de dois anos nem a pacientes em processo de desintoxicação alcoólica.

Na gravidez e lactação.

Dosagem/Modo de usar

Fitoterápico:

Fucus (talos): decocto a 2%, 2 xícaras por dia.

Fucus (pó): 0,5 a 2 g três vezes ao dia.

Extrato seco (5:1): 0,3 a 1 g/dia

Extrato fluido em álcool 25%: 4 a 8 mL três vezes ao dia.

Duração do tratamento:

Apesar da presença de iodo, o uso prolongado do fucus não é perigoso.

Precauções/Superdosagem

Deve ser usado por prescrição médica: Quando se utilizar sob a forma descontrolada (freqüentemente como automedicação para perder peso) o em caso de hipersensibilidade pessoal, pode produzir um quadro de intoxicação (iodismo), devido a uma hiperatividade da tiróide, caracterizada por um quadro de ansiedade, insônia, taquicardia e palpitação.

Ingerir no mínimo 2 litros de água ao dia para facilitar a formação do bolo fecal.

A superdosagem pode conduzir ao hipertireoidismo, tremores, pulsação aumentada e aumento da pressão sanguínea.

Em caso de hipersensibilidade descontinuar uso e procurar o médico.

Efeitos colaterais

Podem ocorrer reações de hipersensibilidade ao iodo.

Interações

Pode ser associado á jacoboea e gaultheria para aplicação tópica em casos de afecções reumáticas.

Fontes

Informativo DEG

Informativo Opção Fênix

PR VADEMECUM, 2004/2005.

 

Pedido Fone: 43 3325 5103