Descrição: C:\Users\Ervas\Desktop\Ervas Londrina\index_arquivos\image002.jpg

Voltar ao menu principal

FEDEGOSO

 

Descrição : Da família das Fabaceae. Também conhecida como balambala, café-negro, folha-do-pajé, fedegoso-verdadeiro, ibixuma, lava-prato, mangerioba, mamangá, mata-pasto, maioba, pajamarioba, pereriaba, taracurú; Arbusto ou árvore que cresce desde o Esatdo do Amazonas até o Peraná. De raiz grossas, folhas pequenas e ovais, caule com muitos ramos, flores amarelo-alaranhjadas. O fruto é uma vagem comprida. Toda planta tem cheito forte, desagradável, de sabor amargo.


Parte utilizada: cascas, folhas, sementes, raízes.

Princípios Ativos: antraquinonas, aloe-emodina, antrona, aurantiobtusina, criso-obtusina, ácido crisofânico, crisofanol, crisoeriol, emodina, kaempferol-3-soforosídeo, ácido lignocérico, ácido linoléico, manitol, ácido oléico, ácido palmítico, reína, obtusina, obsutsifolina, rubrofusarina, sitosterol.

Propriedades medicinais: analgésica, antianêmica (semente), antiasmática, antibacteriana, antídoto de venenos, antiespasmódica, antifúngica, anti-hepatotóxica, anti-herpética, antiinflamatória, antimalárica, anti-reumática, anti-séptica, antivirótica, carminativa, colagoga, depurativa, desobstruentes (raiz), diaforética, diurética, emenagoga, estomáquica, febrífuga, hepatoprotetora, hepatotônico, inseticida, laxante, oftálmica, purgativa, sarnicida, sudorífera, tônica, vermífuga (raiz).

Indicações: anemia, bronquite, cicatrização, coqueluche, complicações menstruais, contusão, distensão muscular, dor, dor de cabeça, dores gastrointestinais, doenças hepáticas, doenças venéreas, eczemas, epilepsia, erisipela, erupções cutâneas, febre, febre biliosa, ferida, fígado, fungo, gases, hepatite, hemorróidas, impaludismo, impigens, inflamação, inflamações uterinas, malária sementes tostadas), nevralgias, paludismo, porrigem (afecção cutânea), picada de escorpião, queimaduras (suco), reumatismo, sarampo, sarna, torção muscular, tuberculose, vermes.

Contra-indicações/cuidados
: pode provocar aborto; as sementes não devem ser ingeridas cruas, por serem tóxicas.
A ingestão das sementes cruas pode provocar degeneração dos tecidos do fígado, do coração e do pulmão.

Modo de usar:
- grãos torrados como sucedâneo do café;
- as folhas jovens e os brotos: como tempero em alguns países;
- cataplasma das folhas;
- infusão das folhas;
- decocção: ferver por 30 minutos, em ½ litro de água, 10 g de casca. Coar e beber 2 xícaras de chá ao dia (febres intermitentes);
- pó da raiz: moer 3 raízes até obter pó fino. Ferver, coar e tomar em jejum (verminose e amarelão);
- pó da semente: juntar 5 g de sementes em pó em 1 copo de água. Ferver. Coar e tomar em jejum, pela manhã (prisão de ventre).

Referência :

A Cura pelas Ervas e Plantas Medicinais Brasileiras - Ricardo Lainetti e Nei R. Seabra de Britto - Editora Ediouro. 1979.
Plantas que Curam - Cheiro de Mato. Sylvio Panizza - IBRASA. 1997.
CIAGRI - Banco de plantas medicinais, aromáticas e condimentares da Universidade do Estado de São Paulo.
Plantamed - Grande cadastro de plantas e ervas medicinais.

 

Pedido Fone: 43 3325 5103